Administração do Seu Negócio

Será que é hora de aumentar a entrega?

Uma das formas que qualquer empresa tem para aumentar sua condição de competitividade é o aumento da produtividade, esse é um tema amplo mas que pode e deve ser trabalhado no dia a dia de todo tipo de negócio. Seja insistente com ações que busquem fazer “mais com menos”.

Uma coisa que muitos estão fazendo é reduzir a capacidade ociosa, no ramo de restaurantes, bares e lanchonetes, para aqueles que não tem mais a casa cheia do passado, cabe a utilização do espaço para reuniões, encontros de negócios, eventos, festas, com os devidos cuidados para não descaracterizar a casa frente a sua clientela mais tradicional. Também cabe aproveitar a tendência de mercado, onde mais pessoas estão utilizando de serviços de entregas por aplicativos. É preciso estar preparado para essas novas ferramentas disponíveis e utilizadas principalmente pelo público mais jovem!

A seguir um trecho da pesquisa que confirma essa tendência, depois voltaremos a seguir.

 

Pesquisa indica que 56% das pessoas fazem pedidos semanais via delivery

30/06/2016

NOTICIA,
Marcio Rodrigues

São Paulo - Um levantamento sobre os hábitos de consumo via delivery mostrou que mais da metade dos usuários deste tipo de serviço, cerca de 56%, fazem pedidos semanais. Destes, 14% realizam pedidos mais de duas vezes por semana; 18%, duas vezes; e os outros 24% realizam um pedido semanalmente. Os dados obtidos pelo Broadcast fazem parte de uma pesquisa conduzida pela plataforma de delivery iFood juntamente com o Ibope. Através da plataforma Conectaí, foram entrevistadas 1.800 pessoas de diversas cidades. Ainda segundo o levantamento, os principais horários dos pedidos são o jantar no final de semana (67%), jantares durante a semana (46%) e o almoço aos sábados e domingos (20%). A análise também revelou que os homens são os que mais solicitam (54%) e que a classe B é a que mais consome comida via delivery (69%), seguida da C (17%) e da classe A (14%). A região Sudeste é a que mais pede (49%), seguida por Nordeste (22%), Centro Oeste/Norte (15%) e Sul (14%). E ao contrário do que parece ser o senso comum, o levantamento indicou que aqueles que moram sozinhos não são os que mais consomem via delivery. Esse perfil se encaixa em somente 8% dos consumidores, ficando na quarta posição, atrás daqueles que possuem a companhia de cônjuge e filhos (41%), dos que moram com amigos ou outros parentes (29%) e aqueles que moram somente com algum companheiro (18%). O estudo apontou ainda um crescimento do uso da tecnologia no momento das solicitações. Atualmente, aplicativos para smartphones e a internet já representam 38% dos pedidos, enquanto o telefone, meio mais antigo e tradicional, representa 62%. Dentre os que realizam por meios digitais, os principais motivos para utilizar são: a facilidade de fazer o pedido (64%), acesso ágil ao cardápio (55%) e não precisar falar com o atendente (51%). Para o CEO do iFood, Felipe Fioravante, a tendência é de que os modelos tradicionais deixem de estar no topo. "Nós vivemos em uma sociedade que começa a ter gerações nativas da tecnologia. Então a visão de interação entre consumidores e empresas é diferente", diz. "É muito importante conhecer de forma detalhada toda a cadeia de consumo, saber quem é o usuário e os hábitos dele, identificar como eles agem, pois pode ser o diferencial em um mercado tão competitivo", avalia o CEO do iFood.

 

Voltando......então você precisa estar atento e fazer os ajustes necessários na sua operação diária, um dos pontos centrais da entrega é a forma. Ter motoboys constantes pode ser algo custoso, existem alternativas, como um sistema de entrega gerenciado pela internet que aumenta a eficácia e otimiza o uso de motoboys, cabe avaliar a relação custo x benefício, veja o serviço no site https://www.loggi.com/presto/

Será que é hora de mexer no meu preço?

Um dos pontos mais delicados para quem tem negócios, seja uma empresa, seja um profissional liberal é a questão preço. É ele quem determina os níveis de faturamento, da margem de contribuição e de lucro (ou prejuízo). Para tratar o preço, precisa ter claro quem são os clientes e seu perfil, quem são os concorrentes e quais os nossos diferenciais em termos de produto/serviço e qual o valor que transmitimos nessa relação.

Em épocas de ”vacas magras” e principalmente para produtos/serviços do dia a dia, é o caso de considerar se não precisa mexer no preço. Cada ramo tem sua dinâmica, citemos o caso dos restaurantes, bares e lanchonetes.

Se seu negócio não é uma referência em produtos e marca, para um clube muito seleto de consumo, certamente você está sendo pressionado pelo mercado a rever seus preços. Isso pois, o cliente do almoço/jantar de todo o dia, já não tem mais o mesmo orçamento à disposição em consumo como a 2 ou 3 anos atrás. Então se você não quer mexer nos pratos principais, crie pratos em promoções e combos com opções de preços diferentes, procurando aumentar o giro do restaurante, principalmente nos dias e horários não favoráveis ao negócio, estimulando assim o consumo. Fique de olho nisso, pois quem sabe os vizinhos da rua e do bairro estão fazendo algo a respeito, então é o momento de avaliar seu preço sim!

Uma ferramenta útil para o segmento de bares e restaurantes é a pesquisa feita do consumo médio dos vales refeição.

Abaixo um passo a passo de como ela pode ser usada. Se você é de outro ramo que não tenham pesquisas, vá aos concorrentes, seja pessoalmente, seja seu funcionário, seja se informando por telefone ou pela internet, isso é que eu chamamos “beber água na fonte” e de olho no mercado!

Como usar a pesquisa:

Vá ao site: http://precomediosodexo.com.br/

Coloque seu email e selecione a cidade e bairro, clique em pesquisar 

Sairá uma tabela com tipos e valores de refeição

 

 

Negócio - Moda

Pergunte-se...qual estratégia estou usando e como ela está me ajudando a lucrar no negócio da moda. Se vc lança produtos e distribuir, importante ter em mente questões da pronta entrega, questões de estoque, desenvolvimento de coleção, criatividade e os custos de produção, logística e comercialização.

Boa matéria com Paulo Borges, criador do SPFW

veja video no link http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/tipoconteudo/mercado?codTema=6

 

Quem vai tocar o negócio?

Olá Pessoal boa semana! Faltam 32 dias para as Olimpíadas.....mas empreendedor está na olimpíada diária!! Tive a oportunidade de atender alguns clientes pela minha nova empresa, e notei que praticamente todas tinham questões a melhores/resolver no quesito liderança e principalmente na perspectiva de sucessão ou ainda delegação de liderança. É muito difícil o empreendedor amadurecer e aceitar o ciclo de vida pessoal e da própria empresa. Mas obrigatoriamente isso passa por preparação e mudança. Segue abaixo um excelente vídeo do mestre Falconi (embora denso).

abs e até breve!

Ah! Geraldo!!!

Olá pessoal, quem me acompanha sabe o orgulho que tenho por casos brasileiros! Estamos trabalhando para mais exemplos....

Vc já deve ter escutado sobre comportamento empreendedor certo?!

Exemplos gringos sempre bons ou ainda de grandes empresas brasileiras, mas quando vc vê um exemplo de alguém que ascendeu aqui no BR, bate aquele orgulho.

Dá lhe Geraldoooo!!!

link https://www.youtube.com/watch?v=MXkwLtzqcdI&feature=youtu.be